Nova Cartografia Social Da Amazônia

VII JOGOS INTERCULTURAIS INDÍGENAS: MANAUS A GRANDE ALDEIA, COMUNIDADE LIVRAMENTO MANAUS-AM


Nos dias 27 a 30 de abril de 2017, pesquisadores do Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia, a convite do Cacique Asterio Martins Tomas, estiveram na Comunidade Nossa Senhora do Livramento na Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Tupé (RDS Tupé) Manaus-AM para realizar a cartografia social dos Jogos Interculturais Indígenas, que é idealizada e realizada pela Associação da União dos Povos Indígenas do Livramento dos Rios Tarumã-Mirim e Tarumã-Açu (UPILTTA). A equipe de pesquisadores contou com 05 pesquisadores do PNCSA Murana Arenillas, Maria Meneses, Altaci Rubim, Glademir Santos e Marcos Alan Farias e 02 colaboradores do PPGCASA/UFAM Pedro Mariosa e Fabíola Rocha.

A organização dos preparativos do evento, como a pintura e reparo das instalações que sediaram as modalidades esportivas, foram definidos pelo Cacique da UPILTTA no dia 27 durante o café da manhã. As tarefas foram designadas tanto para os membros da associação quanto para os moradores da Comunidade do Livramento, Comunidade do Abelha e de apoiadores externos.

Pintura das instalações do campo de futebol na Comunidade Nossa Senhora do Livramento.

No segundo dia de atividade foi realizado a coleta da palha de bacaba para a ornamentação dos jogos. A palha foi retirada em outra localidade, ainda pertencente à Comunidade do Livramento, próximo ao igarapé do Diúna. Após sua coleta, os artesões locais, Valda (Tikuna), Silvano (Baré) e Fátima (Baré) realizaram a tecelagem da palha para a composição dos arcos e barracas do evento.

Tecelagem da palha de bacaba para a confecção do cocar de entrada do evento e ornamentação das barracas.

No terceiro dia, pela manhã, os trabalhos foram destinados ao mutirão de limpeza, com a colaboração e apoio dos garis locais, bem como a instalação dos arcos, demarcação dos locais de prova e ajustes finais de decoração e montagem de estruturas de suporte. Pela parte da tarde, foi dado início aos jogos com a realização das provas de atletismo, em modalidades como o salto em distância, corrida de 100 metros, além de partidas de futebol masculino sub 16.

Luana (baré) no salto em distância.

Após a recepção dos grupos participantes, é oficializada a abertura dos jogos no dia 30. Seguido da execução do Hino Nacional cantado na língua Nhengatu pelo grupo Baré Rui (Sangue Baré), apresentação cultural do Espaço Cultural Tupanãruka e grupo de músicos Tikuna convidados e, por fim, a apresentação de todos grupos participantes dos Jogos.

Disputa de tiro com arco (Joílson – Parque das Tribos).

Além do atletismo e futebol sub 16, o evento contou com a participação dos grupos indígenas nas modalidades de tiro com arco, mergulho, natação, peconha, futebol feminino, futebol masculino e cabo de guerra. As premiações e medalhas aos três primeiros colocados de cada modalidade marcaram o encerramento dos Jogos Interculturais Indígenas.

Entrega de medalhas, da esquerda para direita – Altaci – Kokama, Mauro e Daniel – Pira-Tapuia.

Disputa dos grupos indígenas no cabo de guerra: Parque das Tribos (Direita) e Livramento (Esquerda).

No dia 08/05, o PNCSA também acompanhou a reunião de avaliação dos jogos e de início dos trabalhos para a 8ª edição.

Da esquerda para direita, Silvana, Elizeu, Astério, Lúcia, Analina, Silvano, Levir, Gaúcho, Diva, Martha, Adenor e sua esposa e Maurício.

Artigo anteriorMissão Técnica da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) com a Universidade do Texas (EUA) realizada em Lima (Peru) Próximo artigoLa situación indígena en la tragedia de Mocoa